quarta-feira, 3 de abril de 2013

MÃOS DADAS





     Não serei o poeta de um mundo caduco.
     Também não cantarei o mundo futuro.
     Estou preso à vida e olho meus companheiros.
     Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
     Entre eles, considero a enorme realidade.
     O presente é tão grande, não nos afastemos.
     Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

     Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
     não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
     não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
     não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

     O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
     a vida presente.

                                                                  Carlos Drummond de Andrade

Um comentário:

  1. Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com



    ResponderExcluir