quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

POEMA TIRADO DE UMA NOTÍCIA DE JORNAL



Manuel Bandeira



        João Gostoso era carregador de feira livre e morava no Morro da Babilônia num barracão
        sem número
        Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro
        Bebeu
        Cantou
        Dançou
        Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado.

                                                                                    Manuel Bandeira


                                   

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

CARTÃO DE NATAL





    Pois que reinaugurando essa criança
    pensam os homens
    reinaugurar a sua vida
    e começar novo caderno,
    fresco como o pão do dia;
    pois que nestes dias a aventura
    parece em ponto de voo, e parece
    que vão enfim poder
    explodir suas sementes:

    que desta vez não perca esse caderno
    sua atração núbil para o dente;
    que o entusiasmo conserve vivas
    suas molas,
    e possa enfim o ferro
    comer a ferrugem
    o sim comer o não.


                                            João Cabral de Melo Neto

           
   

sábado, 8 de dezembro de 2012

SÂNDALO FÚLGIDO

O poeta



                Tu éis
                 o sândalo fúlgido que outrora embreagava
                                                         o céu da pátria.

                Cruzes crusam cruciais,
                na inércia da sobrevivência...
                pra inércia da imprudência...
                sobre a inércia da benevolência.
                Eu pinto acordes e anelos,
                pra nas ruas e avenidas de outros réus,
                acalentar-me em beijos teus...
                                                           com violência.

               O medo
               irrequieto desvanesceu.
               Escrava da rotina,
               a luz brilhou no elmo em raios turvos,
               num fascínio escambo pródigo,
               num flagrante inconsistente
               dos meus ecos primitivos...
                                                                prodígios;

               vi em você o condor que sente ser...
                                                   no céu, a crisálida.       

                                                                     
                                                                                Yuri Hícaro        












terça-feira, 27 de novembro de 2012

À MERCÊ DO EU




Mario Gerson, maior responsável pelo movimento Novos Poetas.



Estou onde meus dedos doem...
Onde meus dedos somem,
Na fagulha acesa do dia
Assombrando solitários sóis,
Que alumiam vagas manchas de saudade,
Impregnadas numa pele qualquer.

II
Meus amanhãs nunca morrem
Nesta soma comum de tantos nadas,
Em que se solidificam vertigens.

III
Quantos corpos, nesta noite,
Jogados ao relento das horas,
À mercê do Eu!

                                                                 Mário Gerson


Obra do poeta mossoroense, "A Noite de Luvas Brancas".



domingo, 25 de novembro de 2012

OS VERSOS QUE TE GUARDEI

Poeta de Areia Branca



Os versos que te guardei
     Não carregam bandeiras,
     Não exaltam cânticos,
     Não estão nos muros;
Estão na mente, no corpo, no beijo...
Os versos que te guardei
     Não estão nos livros,
     Não estão nos templos,
     Não voam ao vento;
Estão na pele, nos olhos, no cabelo...
Os versos que te guardei
     Não confidenciam segredos,
     Não afastam seus medos,
     Não conjugam seu verbo;
Estão na boca, mordida, pescoço...
Os versos que te guardei
     São vida, mesmo em morte;
     São morte, mesmo em vida.
Os versos que te guardei
Serão sempre os versos em que te perdi.
                                                                Luiz Luz

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

NO CABARÉ-VERDE ÀS CINCO HORAS DA TARDE



Arthur Rimbald



Oito dias a pé, as botinas rasgadas
Nas pedras do caminho: em Charleroi arrio.
- No Cabaré-Verde: pedi umas torradas
Na manteiga e presunto, embora meio frio.

Reconfortado, estendo as pernas sob a mesa
Verde e me ponho a olhar os ingênuos motivos
De uma tapeçaria. - E, adorável surpresa,
Quando a moça de peito enorme e de olhos vivos

- Essa, não há de ser um beijo que a amedronte! -
Sorridente me trás as torradas e um monte
De presunto bem morno, em prato colorido;

Um presunto rosado e branco, a que perfuma
Um dente de alho, e um chope enorme, cuja espuma
Um raio vem doirar do sol amortecido.

                                                           Arthur Rimbald


DA ESQUERDA PARA A DIREITA: Verlaine, Rimbald e outros poetas.
      

domingo, 11 de novembro de 2012

CIGARRO



Renan Lacerda, poeta pauferrense



Sai da minha fertil conciência
Pois a inocência,
Inda há de vir.

Salivas de catarro amargo
Do prazeroso trago
Dessa mersa nicotina de morte.

Morra, morra estupida ancia
Ancia de desejo
desejo de um cigarro...
 
 
                                                          Renan Lacerda

terça-feira, 6 de novembro de 2012

TALLES AZIGON



Talles Azigon



Na vida teoria
E em todas as teorias da vida,
Eu não vejo nem uma poesia.
No meu dia a dia de cão
De ter a alma vendida por um tostão
De ter de pagar passagem
E seguir viagem
Pensando na conta da luz e no preço do pão.
Eu não vejo nem uma poesia.
Mas no teu sorriso.
Ah! No teu sorriso.
Está toda a poesia da vida,
Toda beleza do dia
Esta no teu sorriso menino
Todo feito de poesia.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

BANALÍSSIMOS DIZERES ÍNTIMOS DE AMOR




                                          Como se não fosse eu, mas
                                          outro (livre de mim que conheço),
                                          sigo,
                                                 me aceito e faço -
                                                 obra minha quando tão tua.

                                          Grito teu nome debaixo das letras,
                                          insido sobre o corpo morno que se adensa
                                                 (livro de poemas, não escritos mas
                                                  bebidos
                                                              em teu perene arder
                                          reaceso no verso
                                          transcrito
                                          onde só teu amor alcança, só ele!).


                                                                                    Dércio Braúna


O POETA CEARENSE

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

O AMOR CHEGA EM UMA HORA

outra poeta mikaelense do CAMEAM/ UERN,  Sidy.



      O amor chega em uma hora
      mas agora já são duas, três
      quatro horas.

      O amor chega em uma hora
      embora seja uma hora
      dentro de horas no meio
      de outra hora.

      O amor chega em uma hora
      com o clamor da outrora.
      Lá fora eu sem horas,
      sem tempo, sem entendimento.

      O amor chega em uma hora
      agora é menos de uma hora,
      eu sem historia contraria o hora.
     


                                                                   Sidy Guilmore

terça-feira, 30 de outubro de 2012

CRIATURA NOTURNA

poetisa em congresso na UERN/CAMEAM



                                 Criatura noturna...
                                 de hábitos singulares
                                 de semblante límpido
                                 de sensibilidade aflorada

                                 Sentimento na pele, na voz...
                                 movimento corpóreo característico
                                 de um filósofo da escuridão.
                                 Pois a lua sempre se torna musa de
                                 inspiração;
                                 e o néctar para celebrar do flerte
                                 ao coito,
                                 vem das plantas que não rastejam
                                 no chão.


                                                                  Géssica Nunes
                                
                                


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

SUBLIMAÇÃO



o poeta em sua arcadia




                     Não consigo sublimar,
                     é difícil concentrar
                     nessa terra de
                     enormes bundas!

                     (Elas estão por todo lado,
                      acompanhadas por belas
                      pernas)

                      Quando não se esta penetrando
                      a solução é se masturbar,

                      nessa tentação, que é existir...

                      Eu não consigo
                      sobremaneira produzir,
                      não consegue fluir
                      minha poesia...

                      só aos poucos...

                      dividida pela ausência
                      da métrica,
                      fatigada na comunhão
                      do signo linguístico.

                      É sangue.

                      Por isso,
                      além da imagem
                      de um belo e cheiroso
                      priquito,
                      há salvação
                      no talento, na imaginação
                      e na arte,

                      enfim,
                      na sublimação.


                                                                       Yuri Hícaro






                     

terça-feira, 16 de outubro de 2012

SONETO

                                                     ALVARES DE AZEVEDO


O Byron do Romantismo Melancolico da Segunda Geração 



Pálida à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ele dormia!

Era a virgem do mar, na escuma fria
Pela maré das águas embalada!
Era um anjo entre nuvens d'alvorada
Que em sonho se banhava e se esquecia!

Era mais bela! o seio palpitando...
Negros olhos as pálpebras abrindo...
Formas nuas no leito resvalando...

Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti - as noites eu velei chorando,
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

ANNABEL LEE





EDGAR ALLAN POE - POETA






Foi há muitos e muitos anos já,
Num reino de ao pé do mar.
Como sabeis todos, vivia lá
Aquela que eu soube amar;
E vivia sem outro pensamento
Que amar-me e eu a adorar.


Eu era criança e ela era criança,
Neste reino ao pé do mar;
Mas o nosso amor era mais que amor -
O meu e o dela a amar;
Um amor que os anjos do céu vieram
a ambos nós invejar.


E foi esta a razão por que, há muitos anos,
Neste reino ao pé do mar,
Um vento saiu duma nuvem, gelando
A linda que eu soube amar;
E o seu parente fidalgo veio
De longe a me a tirar,
Para a fechar num sepulcro
Neste reino ao pé do mar.


E os anjos, menos felizes no céu,
Ainda a nos invejar...
Sim, foi essa a razão (como sabem todos,
Neste reino ao pé do mar)
Que o vento saiu da nuvem de noite
Gelando e matando a que eu soube amar.


Mas o nosso amor era mais que o amor
De muitos mais velhos a amar,
De muitos de mais meditar,
E nem os anjos do céu lá em cima,
Nem demônios debaixo do mar
Poderão separar a minha alma da alma
Da linda que eu soube amar.


Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos
Da linda que eu soube amar;
E as estrelas nos ares só me lembram olhares
Da linda que eu soube amar;
E assim 'stou deitado toda a noite ao lado
Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado,
No sepulcro ao pé do mar,
Ao pé do murmúrio do mar.


Vincent Price - ator conhecido por interpretar personagens de Poe


quinta-feira, 4 de outubro de 2012

LIBERTAÇÃO







POETISA MOSSOROENSE


Que venham me calar...
Eu não calarei!

A saliva que circula em minha boca
lançarei na face do que julga com crueza
aqueles que não encontram
armas para sua defesa.
 
Calem a boca
os que atacam,
os que matam!
lavem a boca para falar dos que morrem!

Perigosos são os que destilam veneno
aos ouvidos desatentos,
que balançam as cabeças e dizem amém!

Eu não vou abrir mão da autopia,
não me cabe a tua mais-valia
que tudo corrompe
e tudo detém!
eu acredito na paz...
Não me venham com guerra!
que se unam os lares,
que se faça a divisão igual da terra!

Enquanto o homem dominar o homem
e for fatalismo o discurso reproduzido,
quanto a vida valerá?
até quando este neoliberalismo nos aniquilirá?
 
Liberdade, de verdade!
Liberdade, eu vou gritar!
Unir minhas mãos,
Repartir o pão, o chão
E você, então, virá!

                                                                             Camila Paula

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

CAVALOS SELVAGENS - DÉRCIO BRAÚNA




POETA DÉRCIO BRAÚNA






                                                 Escritas em suas próprias línguas,
                                                 todas as coisas
                                                 são esses cavalos selvagens
                                                                            que nossas mãos
                                                        de medo-aço
                                                       não domarão jamais




video
   



      

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

TEMPESTADE






                                            E no sentir
                                      foi que pequei...
                                      foi sentir o seu olhar;

                                                                      tocar

                                            pequei,
                                      por manifestar o meu desejo,
                                            pequei
                                      por me apaixonar...

                                                                      viverei a amar!


                         Yuri Hícaro
                          


o poeta

domingo, 23 de setembro de 2012

ACENO



Flores que brotam no campus




Ontem o acaso nos encontrou na rua.
Quis desejar-nos bom dia,
Dar-nos um abraço prolongado,
Falar-nos da vida pós Pra Sempre.


Pensou em questionar o amor defunto,
Os planos findos no retrato.


Ontem o acaso nos encontrou na rua.
Deu com a mão à contragosto,
Dobrou a esquina,
Levou o resto de nós no aceno.



                                                               Rayane Medeiros

sábado, 15 de setembro de 2012

ANEKE ALLEN



O POETA



Juro que da minha sã consciência
tentei te falar que no mundo
existem dois tipos de pessoas,
os Grandes e os Gigantes,
ficando o resto com
a definição da não existência.

Parece-me que estou
no lado errado da moeda,
mas que moeda? A moeda da troca,
moeda da definição,
moeda que até parece
a supremacia da sociedade.

Eu escarro e cuspo nas definições,
antes mesmo de ser transformado
em Grande ou Gigante
me sustento na balança dos marginais.

                                                              ANEKE ALLEN

terça-feira, 11 de setembro de 2012

POEMA PARA O 11 DE SETEMBRO


Poeta natalense, senhor Pedro Fernandes





com olhos de cristal líquido
coloridos

míopes de cinza e preto

vimos ruir dois mundos de espelhos
cacos corpos corpos cacos pó

o que disseram dos queimados
e dos caídos vivos
procurando eternidades

nada

decidiram apenas
por um último instante de fama
de promoção pessoal anônima

o desenho da vertigem
o silêncio num grito de fuligem

que se repete na mente líquida
com a beleza mais sublime
da nossa própria capacidade
 
    
© Pedro Fernandes

domingo, 2 de setembro de 2012

CHARLES BUKOWSKI








"O homem ao piano
toca uma música
que ele não compôs
canta palavras
que não são suas
em um piano
que não é seu.

enquanto
as pessoas à mesa
comem, bebem e conversam

o homem ao piano
termina
sem aplausos.

então
começa a tocar
uma nova canção
que ele não escreveu
começa a cantar
palavras
que não são suas
em um piano
que não é seu.

e como as pessoas
à mesa
continuam a
comer, beber e conversar

quando
ele termina
sem ser aplaudido
ele anuncia
pelo microfone, que vai
fazer uma pausa
de dez minutos

ele vai
até o banheiro
masculino
entra
em um reservado
tranca a porta
senta
puxa um baseado
e acende

satisfeito
de não estar
ao piano

e as
pessoas às mesas
comendo, bebendo e conversando
satisfeitas
por ele também
não estar lá

assim
acontece
em quase toda parte
com todos e com tudo
enquanto ferozmente
no interior
o
gueto negro incendeia."
 
 

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

O TEMPO

Um poeta gaúcho




A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.
  

                                                                  Mario Quintana

domingo, 19 de agosto de 2012

OH CAPITÃO! MEU CAPITÃO!




Conciderado maior poeta da literatura americana






Oh capitão! Meu capitão! terminou a nossa terrível viagem,
O navio resistiu a todas as tormentas, o prémio que buscávamos está ganho,
O porto está próximo, oiço os sinos, toda a gente está exultante,
Enquanto seguem com os olhos a firme quilha, o ameaçador e temerário navio:
Mas oh coração! coração! coração!
Oh as gotas vermelhas e sangrentas,
Onde no convés o meu capitão jaz,
Tombado, frio e morto.

Oh capitão! meu capitão! ergue-te e ouve os sinos;
Ergue-te, a bandeira agita-se por ti, o cornetim vibra por ti;
Para ti ramos de flores e grinaldas guarnecidas com fitas, para ti as multidões nas praias,
Chamam por ti, as massas agitam-se, os seus rostos ansiosos voltam-se;
Aqui capitão! querido pai!
Passo o braço por baixo da tua cabeça!
Não passa de um sonho que, no convés,
Tenhas tombado, frio e morto.

O meu capitão não responde, os seus lábios estão pálidos eimóveis,
O meu pai não sente o meu braço, não tem pulso nem vontade,
O navio ancorou são e salvo, a viagem terminou e está concluída,
O navio vitorioso chega da terrível viagem com o objectivo ganho:
Exultai, ó praias, e tocai, ó sinos!
Mas eu com um passo desolado,
Caminho no convés onde o meu capitão jaz,
Tombado, frio, morto.


WALT WHITMAN









Walt Whitman, "Recordações do Presidente Lincoln" in Folhas de Erva,
Lisboa, Círculo de Leitores, 2006 (tradução de Maria de Lurdes Guimarães)

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

TCHAIKOWSKY SMETANA

Poeta das ruas de Pau dos Ferros




                                              Nas profundezas da loucura
                                              também existe ternura,
                                              quando morrer quero teu nome
                                              na cruz da minha sepultura.

                                             Está tão escuro
                                             faz tanto frio,
                                             sinto falta do teu corpo
                                             que me clareia e me aquece.

                                             Se eu podesse voar
                                             eu te levaria além das estrelas
                                             para que nosso amor
                                             movesse todas as galáxias.

                             
                                                                               TCHAIKOWSKY SMETANA                
                                             

terça-feira, 7 de agosto de 2012

FIXAÇÃO DA FORMA

O POETA MARGINAL





                   A forma não informa
                   não forma a poesia
                   a forma não informa
                   a mente vazia
                   nem toda forma
                   é vazia
                   mas forma que informa
                   é rebeldia
                   minha forma é cheia
                   de poesia
                   minha poesia anseia
                   a mente vazia.


                                                                          Erick Silva

Erick Silva