sexta-feira, 23 de março de 2012

GLAUBER MORTO

                                                                     Ferreira Gullar
O cineasta do Novo Cinema Brasileiro



O morto
não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem na lapela
uma flor
                  não calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.

Glauber Rocha

2 comentários:

  1. Este poema do mestre Ferreira Gullar homenageia
    o maior ícone do cinema nacional, este visionário
    do exílio, mau compreendido em sua fotografia transbordante, inchada...responsável pela criação do Novo Cinema Nacional, e por críticas ácidas à mau quista ditadura militar...Obrigado glauber, obrigado Ferreira!!!

    ResponderExcluir
  2. Mas os grandes mestres da Literatura são os únicos que nunca morrem.Os poemas são como Seqüelas que adentram na alma como chagas e ficam na memória da gente pra sempre!Belíssimo poema de Ferreira Gullar.

    ResponderExcluir